Biografia de Carlos Damas

Biografia .

Carlos Damas, violinista.

Com uma brilhante carreira internacional, Carlos Damas é considerado pela "Gramophone" e "The Strad" como um dos melhores intérpretes das obras de Fritz Kreisler.

A crítica internacional compara-o a violinistas de renome mundial, como Thomas Zehetmair, Gidon Kremer e Henryk Szeryng.

Frequentou o Conservatório de Coimbra aos três anos de idade, onde primeiro se familiarizou com o mundo dos sons.

Estreou-se como solista com a extinta Orquestra da Rádio Difusão Portuguesa, conduzida pelo maestro Silva Pereira.

Mudou-se para Paris, onde frequentou o Conservatório. Estudou com Jacqueline Lefèvre e o maestro Ivry Gitlis. Durante o período em Paris, reunia-se regularmente com Yehudi Menuhin, que o orientou na sua carreira como artista e violinista.

Foi convidado pela Universidade de Música e Artes Interpretativas, em Viena, para participar no Festival Semmering. Também na Áustria, trabalhou com a violinista Dora Schwarzberg e o pianista Yuri Smirnov. Participou também em masterclasses dirigidas pelo violinista Shlomo Mintz.

Carlos Damas, violinista

Estreou em Paris o Concerto para Violino, escrito pelo compositor português Luís de Freitas Branco. Estreou obras de compositores modernos como Jacques Chayllé, Gracia Finzi, Michel Merlet, Jean Jacques Werner, Jacques Bondon e Sérgio Azevedo.

Carlos Damas gravou extensivamente, colocando uma ênfase clara na divulgação do repertório escrito por compositores portugueses. As suas gravações foram lançadas pelas editoras Naxos, Brilliant Classics, Et'cetera e Dux.

Carlos Damas, violinista

O seu álbum Fritz Kreisler foi considerado pela revista "The Strad" como uma das melhores gravações deste compositor.

Tocou como solista em toda a Europa, América do Norte e Ásia, com orquestras como a Jeune Philharmonie (Val de Marne-Paris), Winnipeg Symphony, North Dakota International Music Camp Orchestra, St. Luke's Orchestra, Camerata de St. Severin (Paris), Orchestre Internationale de La Cité (Paris), Orquestra Sinfónica de Guangzhou (China), Orquestra de Macau, Mission Chamber Orchestra (San José, Califórnia) e Orquestra Filarmónica de Praga.

Carlos Damas tem atuado nas mais prestigiadas salas de concerto, como Salle Gaveau e Salle Cortot (Paris), Grande Auditório da UNESCO, Centro Cultural de Belém e Fundação Calouste Gulbenkian (Portugal), Lee Hysan Concert Hall em Hong Kong, Teatro D. Pedro V (Macau), Lincoln Center (EUA), Centro de Arte Oriental (Xangai) e Ville Louvigy (Filarmónica do Luxembourg).

Carlos Damas é doutorado em Psicologia e Educação Musical e é professor na Universidade de Évora, Portugal.

Além de sua atividade em concertos como violinista, Carlos Damas é atualmente investigador do Centro de Estudos e Estética Musical da Universidade Nova de Lisboa e fez parte do Conselho da ANSO/Metropolitana entre 2013 e 2016.

Carlos Damas toca num valioso violino italiano construído por G. B. Gabrielli, denominado de "Isham", datado de 1767, doado por um fã americano.